Isso Ninguém Me Contou!!!

É com imensa satisfação que divido este espaço dedicado (pioneiramente no Brasil) a todas as mamães e papais, sejam de primeira, segunda, terceira ou mais “viagens”.

Espero poder contribuir de alguma forma e oferecer algum acolhimento advindo de minhas experiências maternais (tenho 03 filhos, sendo o mais velho com 25, o do meio 24 e o caçula com 08 anos), e de atendimento psicológico em consultório e hospital.

Aqui vai com uma dose de humor…

ISSO NINGUÉM ME CONTOU!!!!

É isso mesmo! Quando recebemos a notícia da gravidez, na maioria das circunstâncias ficamos felizes (assustadas), os papais felizes (assustados), os irmãozinhos(as) felizes (inseguros), as vovós, parentes, amigos, colegas, felizes (felizes mesmo).

Caberia uma discussão para cada pessoa, seja qual for o nível de parentesco ou relação com a gestante. No entanto, neste artigo me prenderei à própria, ou seja, à detentora do papel principal e no nascimento do bebê, sim porque depois disso a mamãe vira coadjuvante.

Nasceu!!!!

Na maternidade: Parte 1

Você volta para o quarto “drogada” ouvindo vozes, parabéns e elogios (ainda é a atriz principal…calma).

Algumas horas depois, você já está “mais sóbria”, e recebe nos braços sem nenhuma cerimônia ou parcimônia, ”aquele ser”…  (Você acaba de perder seu papel principal ok?)

Colocam no seu peito “aquele ser” para chupar, mordiscar, morder mesmo, puxar, arranhar e beliscar e você tem que achar uma delícia…. (Poxa meu marido fazia isso… mas não era tão violento!!).

Vai doer, vai sangrar, e você vai querer desistir… mas imagina… sou muito leoa para desistir assim… (alguém me arruma aquela “droga” do parto de novo por favor?)

Visitas a todo instante, e você apavorada (essa idiota lavou as mãos antes de pegar no MEU bebe? Esse idiota nem percebe que está falando muito alto? Essa pessoa não deveria ter vindo aqui gripada, que absurdo).

Eu quero, aliás, eu preciso de chocolate, de coca cola (O que????? Não posso por quê?? Vai tudo p leite??? Serio???).

Vinho também não posso??? Cerveja??? O que mais não posso??? Tudo isso?? Enquanto amamentar???

Na maternidade: Parte 2

Cheia de pontos na barriga, ou na “perseguida”, você tem que sair da cama do segundo dia em diante… para soltar pum??? E se eu não quiser??? Você vai ter. Sim ou vai dar pum na frente dos parentes mesmo… não vai aguentar… rsrs

Ah, no terceiro dia tem que fazer cocô, (ou não terei alta???) Nada disso mamãe, você vai ter que comer uma geleia bem “ deliciosa”… E acredite, serás rainha como quando eras gestante.

Genteeeee…ninguém me contou nada disso!!!

Chegando em casa:

Para onde vou com este ser? O bebê vai dormir comigo… ao lado da cama e eu vou vigiar o tempo todo para ver se está respirando… acredite, você fara isso muitas vezes.

Ele chora, mama, faz cocô e dorme… qual a graça?

Estou acabada de cansada…

Dá vontade de oferecer para os avós e dizer: leva e me traz de volta com 18 anos.

Choro muito, no começo escondida, depois o marido fica sabendo, depois todo mundo sabe… (ah ela está com depressão pós-parto!!!)

Cacete!! (Peço licença pela palavra chula), não posso estranhar a rotina? Não posso ficar emotiva, chorona, cansada, estressada e ao mesmo tempo absolutamente feliz???

Em absoluto não se sinta culpada!! Você está na estatística da normalidade!! Acredite!!

Não sou louca não!!! Sou apenas uma mamãe…

Que acabou de saber que sua vida não será mais SUA, que seu coração estará batendo fora do SEU corpo para o resto da sua vida.

Que suas noites não serão mais tão tranquilas, e que você será muito mais cautelosa com suas atitudes, porque agora você tem uma pessoa que vai te seguir e imitar seus atos e suas palavras. Terás um fã incondicional!!!

Que você nunca mais estará sozinha.

Que “este ser” depende de você inteiramente para sobreviver.

Neste momento seu seio não é mais SEU, e pasme… ele vai parar de doer sem você perceber… porque quando “este ser“ pairar os olhinhos nos seus olhos… nada mais será como antes.

Agora “este ser” já tem o nome que você consegue reproduzir, ele deixa de ser um estranho e passa ser sua melhor parte.

Só lembrando, por enquanto, sua identidade é a de MAMÃE, mas em breve isso mudará também… muita calma nessa hora!!

Sua insegurança, tristeza, raiva poderão ser bem conduzidas e acolhidas pelo aplicativo do Bellamaterna.

Ah!! Se no meu tempo eu tivesse essa ajuda… mandaria todas as vovós e titias fazer compras… hehe

Espero ter contribuído (com um bocadinho de humor) de alguma forma para que este momento fique mais leve e humanizado.

Não queira ser super, seja você, dentro dos seus limites. Aceite receber ajuda de profissionais especializados em puerpério (‘pós-parto’) e amamentação. Finja aceitação dos “palpites e ajudas” dos demais, mas só leve em conta as opiniões de profissionais (isso trará muito mais segurança e tranquilidade a você e ao seu pequeno novo EU).

Afinal de contas,

“Ser mãe é pensar em fugir, e no plano de fuga incluir os filhos, que eram o motivo da fuga.”

(desconheço a autoria….mas concordo…rs)

Eliane Tavares é:

Psicóloga Clínica

Especialista em Psicologia Hospitalar

Pós-graduanda em Educação Infantil e Inclusão e colunista do Bellamaterna

Compartilhe!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.