É preciso escutar com honestidade

Sinto-me honrada em inaugurar a especial empreitada que BellaMaterna se propõe a trilhar com esse breve texto que quero compartilhar. Reconhecer sensivelmente a necessidades primordiais das mães, pais, familiares e/ou cuidadores de bebês se propondo a desafiadora tarefa de acolhê-los, na sublime experiência do cuidado, deixou-me verdadeiramente encantada. Dessa forma, preferi escrever sobre a maternagem dando mais ênfase a minha experiência como mãe sem me separar do fato de ser uma profissional da saúde.

Minha filha nasceu há vinte anos. Eu já era Terapeuta Ocupacional e havia estudado muitas coisas sobre os fazeres da maternagem por meio de saberes advindos da psicologia, do desenvolvimento neuro evolutivo, da fisiologia, entre outros, no entanto, em muitas situações cotidianas esse conhecimento não me aliviou das angústias de uma mãe de primeira viajem.

Ter um vasto conhecimento sobre a amamentação, saber sobre os mecanismos fisiológicos desse fenômeno, conhecer os benefícios do leite e como proceder nas primeiras sugadas do bebê, não amenizava minha sensação de insegurança ao ter gerado uma criança prematura, que custou a sugar meu peito. Lembro-me especialmente da sensação de fracasso quando não conseguia, por meio de inúmeras tentativas, sessar o choro ainda indecifrável dos seus primeiros dias de vida. Dúvidas sobre o sono, banho ou alimentação eram constantes e ainda que tivesse conhecimento técnico para muitas situações, não saber a resposta para determinadas ocorrências me fazia sentir culpada e insegura. Meu desejo era “morar” na ante-sala do pediatra, a fim de tê-lo disponível todas as vezes que surgissem dúvidas. Porém hoje, ao olhar para trás, vejo que muitas coisas são apenas fruto de nossa insegurança.

Certamente, o fato de ter cuidado de minha filha como mãe solteira colaborou para meu permanente estado de alerta, já que somente eu responderia pelos acertos ou erros que viesse a cometer. E assim foi para várias etapas da vida de minha filha: andar, falar, brincar, socializar, ir para escolinha…Para cada ciclo de seu desenvolvimento, um novo desafio, um mundo novo para desvendar.

Sem sombra de dúvida que essa sublime, mas difícil experiência me humanizou enquanto profissional de saúde. Em cada troca de experiências com as mães, percebo que muito ainda tenho que aprender. Nossos filhos são como caixinhas de surpresas. Eles também trazem com eles sua personalidade, seu jeito particular de lidar com o mundo que o circunda.

 

IMG-20170731-WA0003

 

É preciso que os profissionais de saúde respeitem e escutem com muita honestidade as narrativas familiares que expressam a subjetividade estabelecida nas relações de cuidado entre mãe/pai/cuidador/bebê, a fim de responderem efetivamente aos anseios advindos de seus fazeres cotidianos. É preciso entender que ninguém conhece a criança melhor que o próprio cuidador e que o papel do profissional da saúde muitas vezes se resume em encorajar a família nos cuidados que estão sendo praticados no dia-a-dia. Isso também ajudará o profissional da saúde a compreender de forma detalhada o universo complexo e particular de cada família, e como encaminhá-los para o profissional adequado caso seja necessário, encurtando muitas vezes o caminho da busca para respostas.

A escuta ativa é fundamental para atender as demandas provenientes do cuidado, especialmente nos primeiros anos de vida, prevenindo prejuízos ao desenvolvimento, especialmente em caso de crianças especiais, muitas vezes contemplando o cuidador com uma simples orientação e/ou informação. Mas como mãe e profissional de saúde, que já atendeu diversas mães, especialmente de crianças especiais, devo dizer que oferecer atenção e conforto, pode ser a dose de cuidado necessário para que a mãe/pai/cuidador retome sua confiança e siga sua jornada nesta que considero uma das maiores experiências de amor.

 

Acredito que a atenção e cuidado solidário são a fórmula para responder aos anseios daqueles que irão desempenhar seus papéis de cuidadores nos primeiros anos de seus filhos. Sinto-me honrada em inaugurar esse blog do BellaMaterna e desejar todo sucesso nesta missão de oferecer apoio com responsabilidade e empatia para com todas as famílias que estão vivenciando esse momento especial da vida. Saudações a todos!

 

Compartilhe!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.